Caixa anuncia inclusão de custos do ITBI e registro eletrônico em financiamentos imobiliários

Uma nova medida adotada pela Caixa Econômica Federal determina que, a partir de agora, toda pessoa que tomar crédito imobiliário com a instituição, poderá incluir no financiamento tanto as despesas cartoriais quanto o Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis (ITBI). A iniciativa, que foi anunciada manhã da última quinta-feira, 2 de junho de 2020, já vinha sendo testada em uma parcela dos novos contratos firmados pela Caixa desde o mês de abril do mesmo ano, e faz parte de um pacote adotado pelo banco com o objetivo de aquecer o setor imobiliário.

O que muda?

De acordo com Jair Mahl, vice-presidente da Caixa, a maior mudança nesse sentido será com relação ao custo médio para fazer o registro do imóvel financiado. Hoje, no Brasil, esse custo varia entre 2% a 5%, dependendo da região.

A partir da nova medida adotada, é este o custo que poderá também ser incluído no financiamento imobiliário, por meio da obtenção de crédito com essa finalidade. É válido lembrar que a novidade é válida apenas para novos contratos.

Ainda de acordo com a Caixa, as famílias que recorrerem ao financiamento imobiliário deixarão de pagar cerca de R$ 400 milhões por mês com a nova medida. Isso porque é este o valor que seria incorporado aos financiamentos.

Em um ano, o montante pode chegar a R$5 bilhões. Valor que, de acordo com o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, pode ser utilizado para outras finalidades, como melhorias no próprio imóvel. Ou até mesmo para uma ‘folga’ no orçamento, levando em consideração o cenário de crise que o país atravessa.

A medida, que é totalmente nova no Brasil, já vinha sendo testada desde abril, e agora pode beneficiar todos os novos financiamentos imobiliários. E, apesar de a Caixa ter sido precursora, tudo indica que logo menos outros bancos também acabem aderindo ao processo, já que o mesmo apresenta benefícios para todos os interessados.

 

Registro eletrônico de imóveis

Além da inclusão do imposto e custo cartorário em financiamento imobiliário, a Caixa anunciou ainda que passará a digitalizar processos de registros das escrituras de imóveis.

Até o momento, esse processo era feito apenas pelo comprador, que precisava levar toda a documentação pessoalmente até um cartório, depois que a mesma tivesse sido assinada por todas as partes envolvidas, inclusive o banco que cedeu o financiamento.

A partir de agora, graças à nova medida adotada pela Caixa, que detém 70% dos financiamentos imobiliários no país, a burocracia será reduzida. Para isso, o sistema do banco foi integrado ao dos cartórios de 14 estados brasileiros. Ao todo, 1.356 já fazem parte da plataforma, que deve começar a funcionar a partir do dia 13 de julho.

Dessa forma, o tempo de espera para finalização do processo de registro da escritura de um imóvel pode ser reduzido de 45 para apenas cinco dias. Uma iniciativa que com certeza fará diferença para o comprador final.

 

Estímulos para o setor

As duas medidas citadas fazem parte de uma série de iniciativas anunciadas pelo banco na última semana. Todas com o objetivo de facilitar a contratação de crédito imobiliário, e também dar impulso ao setor que apresentou crescimento de 22% n primeiro semestre, mesmo em meio aos graves efeitos econômicos causados pela pandemia da Covid-19.

As construtoras também foram contempladas com o pacote anunciado pelo banco. Agora, o nível de vendas mínimas de novos empreendimentos (que é utilizado como condição para a concessão de empréstimos), caiu de 30% para 15%. Além da permissão para utilização de recursos obtidos com vendas das unidades habitacionais para pagamentos de encargos mensais.

Bons tempos em meio à crise

Apesar de o atual cenário brasileiro não se mostrar nada favorável à economia, o setor imobiliário vem obtendo considerável destaque. No primeiro semestre de 2020, apenas a Caixa somou R$48,2 milhões em concessões de financiamento imobiliário. No mês de junho, o banco obteve R$11,14 bilhões em concessões de crédito habitacional – o pico para o mês em quatro anos.

Ou seja, o momento é mais do que propício para quem deseja investir em um imóvel, seja para morar ou empreender. Que tal conversar conosco a respeito? Nossos corretores estão prontos para te atender e auxiliar.

Deixe uma resposta